Depoimentos
Ediandro Martins
Ediandro Martins

Aprovado para Juiz do Trabalho no Rio de Janeiro, Ediandro Martins (Cuiabá/MT) declara: “Quando entrei no GEMT, eu comecei a ler as rodadas anteriores e a primeira coisa que me veio à cabeça foi: eu nunca vou conseguir passar, esse povo sabe muito! Mas, gradualmente nós conseguimos perceber que o conhecimento vai se acumulando, nós vamos melhorando a cada dia, com muita persistência. Penso que a leitura das rodadas e a formulação das respostas foi essencial para a aprovação na segunda fase, tida por mim como a mais difícil”.





Ediandro Martins Servidor Público Federal Cuiabá/MT
*Dos 17 aprovados no Rio, 11 são alunos do GEMT!



Ediandro escreveu:



Bom dia, Amigos,



Finalmente sentei para fazer o meu depoimento, depois de algum tempo da tão sonhada aprovação.



Primeiramente, agradeço ao pessoal do GEMT por todo o apoio nessa fase de preparação. Meu contato mais direto deu-se com o Davi, a Ciça e a Hevelin, que sempre me atenderam com muita presteza. Na fase oral eu tive a honra de conhecer a Sofia, uma pessoa fantástica, que sabe ser “durona” (rsrs) como banca de oral – nos simulados – e muito educada como professora. Meu muito obrigado a todos!!!



O que muita gente pergunta aos aprovados é como foi a preparação, quais livros foram lidos, quantas horas de estudo por dia, como conciliar trabalho e estudo, enfim, uma geral da preparação.



O que eu sempre digo a todos é que cada um tem um jeito peculiar de ser, de estudar; cada um traz uma bagagem de vida, de preparação... alguns estudaram em excelentes escolas, ótimas faculdades e souberam aproveitar cada oportunidade da vida, outros não tiveram uma trajetória tão linear e, com certeza, a preparação de cada um será diferente.



No meu caso, eu comecei no serviço público como técnico do INSS, cargo que fiquei por apenas 06 meses, sendo logo nomeado para técnico do MPT. Lá permaneci por aproximadamente quatro anos, quando passei para analista de TRT.



Toda essa preparação para concurso de servidor foi de grande valia para as primeiras fases da magistratura, pois é inegável que o edital de analista abrange grande parte do edital da magistratura. Eu fiz algo em torno de 15 provas, não sendo aprovado em apenas duas primeiras fases.



Para as provas de Juiz do Trabalho, penso que a leitura de doutrina é o básico para dar o alicerce, mas não é suficiente para a aprovação, pois o que temos visto é que estão sendo cobrados muitos casos práticos e questões que não são encontradas nos manuais. Eu acabei perdendo muito tempo buscando a aprovação na segunda fase com leitura de diversos manuais, até que um amigo me indicou o GEMT. É incrível ver a capacidade que todos os participantes têm na criação das perguntas e também no conteúdo das respostas. Quando entrei no GEMT, eu comecei a ler as rodadas anteriores e a primeira coisa que me veio à cabeça foi: eu nunca vou conseguir passar, esse povo sabe muito!



Mas, gradualmente nós conseguimos perceber que o conhecimento vai se acumulando, nós vamos melhorando a cada dia, com muita persistência. Penso que a leitura das rodadas e a formulação das respostas foi essencial para a aprovação na segunda fase, tida por mim como a mais difícil.



Claro que a batalha foi árdua, foram muitas noites de sono perdidas com insônia, ansiedade; muita dor nas costas; muita abdicação; diversas foram as vezes em que pensei em desistir. Neste momento o que mais conta é o psicológico e Deus coloca pessoas especiais em nossa vida que nos dão o apoio necessário, tenham certeza!



A propósito, a minha aprovação veio em um momento de “grandes emoções” e muito trabalho. Em maio de 2015 Deus mandou meu maior presente, minha filhinha. É incrível o nascimento de um filho, com o preenchimento de um espaço vazio que nem sabíamos que existia! No trabalho, a assessora chefe (querida masterchef, como nós a apelidamos, rsrsr) saiu de licença maternidade e a desembargadora fez-me o convite para substitui-la. Expus a situação do estudo, mas assumi o encargo. Trabalhava MUITO e ainda assim mantinha o estudo.



A primeira fase do TRT-1 foi logo em seguida, e eu estava extremamente cansado. Pensei em não fazer a prova, mas minha esposa, com a dor de ficar sozinha com nossa pequena, pediu para que eu viajasse para o Rio e fizesse a prova. Resultado: passei exatamente no corte.



A segunda fase veio e eu me preparei como deu, com poucas horas de estudo, devido ao trabalho e com a dor no coração de chegar em casa e dar só uma atençãozinha para a família e subir para o escritório. Resultado: passei com boa nota.



Para a sentença, segui os conselhos de uma juíza: "sentença é transpiração e não inspiração". Comprei um caderno de 20 matérias e completei-o totalmente com sentenças à mão. Comprei curso específico de véspera e correções individuais. Resultado: “passei!!! Estou na oral!!! E agora, o que fazer?!”



A oral é a hora do tudo ou nada, vc literalmente gasta o que não tem! Rsrsrs... são cursos e cursos! Mas ouvir a sua nota como aprovado, seguido de um parabéns, não tem preço!



Enfim, pessoal, a dica que deixo é força nessa luta, estudo direcionado, e muita fé!



Abraços a todos e, no que precisarem, contem comigo!

Ediandro

Copyright © 2006-2019 JEMPE. Todos os direitos reservados.
Projeto Gráfico: Claren Design